Penhora de vencimento: quando pode ocorrer?

penhora de vencimento

Advinda de um cenário extremo, a penhora de vencimento é um meio bastante eficaz de o credor obter o que é seu por direito. Mas, há algumas regras a serem cumpridas nesse cenário. Veja como se procede.

O que é penhora de vencimento?

A penhora de vencimento é uma medida de cobrança coerciva que consiste na apreensão judicial do salário do devedor para a satisfação do direito de crédito do solicitador.

Nos casos em que a dívida ocorre no setor privado, é promovida uma ação executiva. Mas, nos casos em que o endividamento ocorre com as Finanças, Segurança Social ou a outro órgão do Estado, é iniciado um processo de execução fiscal.

Importante referir que o devedor deve ser avisado, o empregador do devedor deve receber uma notificação por parte do agente de execução indicando que a partir daquele momento, terá que descontar do salário líquido do seu colaborador o montante relativo à penhora, por conseguinte, transferi-lo para uma conta bancária à ordem do solicitador.

Quando ocorre a penhora de vencimento?

Ocorre quando um indivíduo precisa de reaver do devedor um capital seu por direito. Porém, a penhora de vencimento acontece somente nos caso extremos onde haja ordem expressa no tribunal.

O tribunal primeiro tentará negociar a dívida junto do devedor, aplicando-se para que a penhora de vencimento não aconteça. Mas, quando não há acordo e o executado não efetua nenhum pagamento nos seis meses precedentes, o credor poderá requerer uma ordem de execução, este pode ser tanto privado, quanto uma entidade pública como a Segurança Social ou Finanças.

Vale realçar que, o mais comum a ocorrer é a penhora de vencimento incidir sobre o salário do devedor, mas, a mesma pode ser estendida a juros, rendas e outros rendimentos do executado.

Quando não ocorre a penhora de vencimento?

Há alguns casos onde não se pode aplicar a penhora, veja: 

  • Salário mínimo: quem recebe o salário mínimo não pode ser alvo de um processo de execução sobre o vencimento. Porém, existem outros tipos de penhora suscetíveis a este tipo de executado.
  • Vencimento de part-time: como o salário de quem trabalha em regime de part-time é sempre inferior ao salário mínimo, este não poderá ser alvo de penhora.
  • Desemprego: por não ter rendimentos, há impossibilidade de penhorar o seu vencimento.
  • Morada fiscal no estrangeiro: pelo motivo de o estado não ter jurisdição em outros países, este não pode decidir pela penhora de vencimento caso o executado tenha morada fiscal fora de Portugal;
  • Insolvência: se o devedor se declarar insolvente, este fica impossibilitado de penhora. No entanto, a insolvência terá outras consequências distintas.

Um ponto a ser levado em conta, é que, mesmo nos casos em que houver várias penhoras, haverá pagamento. Este ocorrerá aplicando-se a regra da lista de espera: avança primeiro quem tem a data de notificação mais antiga. Só há uma exceção para a regra, as dívidas relacionadas com pensões de alimentos passam sempre à frente das outras.

Como se calcula a penhora de vencimento?

A mesma é calculada tendo o salário líquido como base, ou seja, o rendimento obtido após os descontos obrigatórios por lei (retenção na fonte de IRS e taxa social única, isto é, os descontos para a Segurança Social).

Importante saber que todas as quantias recebidas serão contabilizadas, e não apenas o vencimento-base. São incluídos valores recebidos relativos a compensações por horas extraordinárias, comissões, ajudas de custo, subsídio de refeição, eventuais prêmios, subsídio de deslocação, subsídio de risco e subsídios de férias e de natal.

Para calcular o valor que será penhorado, siga os seguintes passos:

  1. Calcule o vencimento líquido: somam-se todas as quantias líquidas recebidas (após os descontos legalmente obrigatórios).
  2. Multiplique o vencimento líquido por 1/3 e obtém o valor penhorável.
  3. Multiplique o vencimento líquido por 2/3 e obtém o valor impenhorável.

Veja alguns exemplos: 

Vencimento líquidoValor impenhorávelValor penhorável
1230€820€410€
1500€1000€500€
2400€1600€800€

Há ainda alguns limites a serem respeitados para a penhora dos vencimentos. O trabalhador precisa de ficar com o valor equivalente a um salário mínimo nacional e não pode ficar com mais do que o equivalente a três salários mínimos.

Como evitar uma penhora? 

De forma generalizada, os credores têm apenas um objetivo, recuperar o valor em dívida. Portanto, a melhor forma de evitar a penhora sobre o vencimento é negociar com o credor. 

Explique o problema que causou a dívida, a partir daí, discuta a possibilidade de extensão do prazo de pagamento e abate nos juros. Também verifique formas alternativas de quitação do déficit que eventualmente poderão beneficiar ambos os lados.

Como reagir à penhora de vencimento? 

Citamos algumas formas de reagir à penhora de vencimento, veja: 

  • Pedir a redução da penhora: é possível requerer que a penhora seja reduzida de 1/3 para 1/6 do salário liquido, mas, o procedimento tem que ser requerido ao tribunal;
  • Pedir isenção de penhora: também é possível que o tribunal conceda, depois de requerido, a isenção durante um período inferior a um ano;
  • Opor-se à penhora ou à execução: nos casos em que a dívida for indevida, como por exemplo, se for um valor acima do montante previsto na lei, é possível fazer a oposição. Importante realçar que se for um processo executivo, tem 20 dias para o fazer após a citação (ou seja, após o aviso oficial sobre a decisão judicial ou intimação);
  • Declarar insolvência pessoal: estando completamente impossibilitado de pagar as suas dívidas, pode declarar insolvência pessoal. Para isso, é necessário pedir a exoneração do passivo restante. Trata-se de um processo que permite aos devedores ter o perdão das dívidas que não sejam pagas, na totalidade, durante o processo de insolvência mesmo após a liquidação de patrimônio ou nos 5 anos depois do encerramento do processo. Mas, é importante destacar que somente pessoas singulares podem beneficiar do pedido de exoneração do passivo restante, ou seja, empresas não podem ser abrangidas por esta medida.
Partilhe este artigo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Deixe o seu comentário
Subscrever
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments